subscribe: Posts | Comments | Email

CRISTIANO RONALDO Y EL CHACHULLO CASTELLANO

3 comments

Cristiano Ronaldo foi acusado pela Fiscalia (MP) de Espanha de ter cometido quatro crimes fiscais contra a Fazenda espanhola entre 2011 e 2014 no valor de € 14,7 milhões, originados nos seus “direitos de imagem” em Espanha.

Isto é, ninguém coloca em causa que CR7 tudo pagou nos seus rendimentos auferidos no Real Madrid FC. A questão coloca-se nos restantes, os tais “direitos de imagem” , alegada mas erroneamente ” originados ” em Espanha .

As consequências seriam aterradoras: uma multa de uns € 28 milhões e um mínimo de 7 anos de prisão.

O inocente “em Espanha” acima mencionado é, afinal, o cerne da questão.

Será que estes “direitos de imagem” foram recebidos a partir de trabalho (neste caso, publicitações comerciais) efetuado com clientes espanhóis? Ou mesmo que fossem clientes não-espanhóis foi o trabalho fisicamente realizado em Espanha? Em resumo , o valor economico destes contratos é atribuível a Espanha ?

Parece evidente que não. Aliàs , os estudos tecnicos elaborados pela NIELSEN e pelo Professor do ESADE ( Barcelona ) Eusebio Nomen não deixam duvidas . Espanha representa menos de 10 % do impacto economico do trabalho realizado por Cristiano Ronaldo para uma longa lista de clientes : NIKE , COCA COLA , EMIRATES AIRLINES , CASTROL , HERBALIFE , CLEAR , TAG HAUER , KONAMI , GIORGIO ARMANI , BES .

Mas se está em causa trabalho feito fora de Espanha, porque é que deveria ser o Fisco espanhol – e não o português, por exemplo – a receber tais tributos? Arvorar-se Espanha o direito a receber  por 100 % desse trabalho ,  não é um intolerável abuso ?

É certo que no regime fiscal geral dos países vigora o principio da “tributação mundial”, ou seja do englobamento de todos os proveitos no país da residência fiscal.

Mas também não é menos certo que quando Cristiano Ronaldo foi atraído a representar o Real Madrid em Espanha em 2009, o fez na base da “Ley de los Impatriados” que excluía de tributação – em certas circunstâncias – os proveitos auferidos fora de Espanha. Mas  não , o Fisco Espanhol parece  – antes – ver aqui uma oportunidade de ouro para ” extrair ” uma “renda excessiva “a Cristiano .

Vai daí ,  Caridad Gómez-Mourelo Castedo  – chefe da unidade central de delitos da Hacienda de Espanha –  decidiu ” entrar com tudo ” e denunciar CR7 à Fiscalia . Curiosamente , esta mesma Caridad foi em 2015 bem mais generosa com a Infanta Cristina no caso NOOS ,  pois um seu parecer foi determinante para o Procurador Pedro Horrach pedir e conseguir  a absolvição da filha do Rei Juan Carlos nesse julgamento .

Em resumo, a Acusação da Fiscalia  – consequente à denuncia da Hacienda –  a Cristiano Ronaldo é tudo menos evidente. Em vez de tratar o tema com os devidos cuidados pois a imagem de Cristiano poderia ser afetada, a Fiscalia utilizou os habituais trombones para ditar sentenças em substituição dos Tribunais e levou no arresto a imagem do Real Madrid e da própria Espanha.

Por outras palavras, em linguagem futebolística, a Fiscalia “entrou” a pés juntos. Resta ver quem leva cartões amarelos e vermelhos.

Num primeiro momento os “trombones”surtiram efeito.

E o pessoal assustou-se todo.

A começar pelas relações públicas do próprio Real Madrid FC que no início tentaram  distanciar-se da polémica. Segundo o El Confidencial, executivos do R M FC pediram a vários sites online que substituíssem a fotografia de CR7 apresentando-o como um “jogador português” e não como um representante do Madrid. Assim, o mais Madridista dos jornais – “MARCA” – começou por titular a suposta evasão de Cristiano com uma sua fotografia enquanto capitão da seleção portuguesa. E outros foram na mesma linha. Evidentemente , este distanciamento institucional do R M FC  tornaria a posição de Ronaldo mais vulnerável ,  facilitando os objetivos estrategicos da Hacienda : ” sacar dinheiro ” a Ronaldo .

Não obstante, Florentino Pérez – alertado por Sergio Ramos – percebeu rapidamente que esta via ( defendida por alguns na sua Direção ) era ruinosa para o Real Madrid. Não só perderia Cristiano como principal ativo do plantel madridista, como seria atacado à esquerda e à direita (em ano eleitoral) por quebra de solidariedade a um glorioso jogador alegadamente em maré baixa. Mais ainda, Pérez percebeu que estará em causa a capacidade futura de atrair talento para o Real Madrid se houver inesperada penalização fiscal para os seus jogadores.

E Pérez ordenou a emissão de um comunicado duro:

“O Real Madrid mostra a sua plena confiança em Cristiano Ronaldo, que, entendemos, atuou conforme com a legalidade no que respeita ao cumprimento das suas obrigações fiscais.

…. Cristiano Ronaldo mostrou sempre, desde a sua chegada ao Real Madrid, em Julho de 2009, uma vontade clara de cumprir todas as suas obrigações tributarias.”

O alinhamento institucional de uma das mais importantes entidades em Espanha com Cristiano Ronaldo tem todo o significado. E  , embora com hesitações  , o apoio do Real Madrid FC não pode ser desconsiderado .

Simultaneamente, a defesa jurídica de Cristiano na pessoa de António Lobo Xavier e Osorio de Castro,  a par de um detalhado comunicado da GESTIFUTE baseado nos pareceres dos respeitados fiscalistas  espanhois José Maria Alonso e Luis Briones da Baker McKenzie, vieram pôr alguns pontos nos i e o “spin” comunicacional mudou por completo.

De tal forma, que um dos fundamentalistas lá do sítio, que também os há lá, o GESTHA – Sindicato dos Técnicos Tributários de Espanha (curiosamente, et pour cause, apresentado pela LUSA como o Ministério das Finanças Espanhol) sentiu-se na necessidade de vir em defesa de Caridad , Eva e Maria Victoria , pedindo  “contenção” ao Real Madrid FC para que “… não prejudicasse o trabalho pedagógico que está a ser feito para sensibilizar a sociedade para a importância de pagar corretamente os impostos”.

Como se o GESTHA fosse um Tribunal de última instância e os inspetores tributários ,  juízes. Como se, afinal, toda a matéria não estivesse ainda na primeira instância de instrução  judicial e sem nenhuma decisão de um Juiz. E como se  “apregoar aos  sete ventos ” impostos em excesso sob pena de – reclamando- poder ser preso , fosse passível  de ser  considerada uma boa pratica de um regime democratico .

Está certamente em causa a imagem de Cristiano Ronaldo e, agora que o defendeu, a imagem do Real Madrid FC.

Mas o que a Fiscalia de Espanha não entendeu é que, por uns inalcançáveis € 14,7 milhões, pôs em causa a imagem de Espanha num valor infinitamente superior.

Ao colocar em causa a imagem de um país fiscalmente previsível, terminando  o regime da “Ley dos Impatriados” sem nada em troca , Espanha terá serias dificuldades em atrair talento no futuro. A Fiscalia poderá até extrair um acordo de uns milhões de euros a Cristiano que, felizmente, lhe não farão a menor diferença. Os intangíveis custos para Espanha serão muito superiores .

Mas Cristiano , e bem , reagiu . A sua continuidade no R M FC  está em causa parecendo-me claro  que quem vai pagar – direta ou indiretamente – este imbróglio não será ” lui même ” .O acerto a fazer com Hacienda   será pago pelo RM FC  por melhoria de contrato ou por acerto de contas em transferencia para o PSG .

O  dano que  Caridad  Gómez-Mourelo Castedo  fez ao RM FC e  a Espanha com esta atuação estará à vista . E o fisco inglês, com a sua atuação previsível, ganhará em toda a linha.

Real Madrid FC e Barcelona perderam, este ano, o cetro dos clubes mais valiosos do mundo em detrimento do Manchester United. Com esta atuação da Fiscalia ,  o ascenso dos clubes da Premier League na cena futebolística  mundial será ainda mais imparável.

  1. António Batata says:

    Claro como a água.Os impostos são uma matéria hipersensível e as entidades jogam estas coisas na praça publica sem respeito por nada nem por ninguém, (nem pelo Estado que lhes paga). Vivemos tempos estranhos de ditadura de uma determinada forma de pensamento. Mais a nossa liberdade em nome de uma segurança hipotética é todos os dias espezinhada. Este é um desses exemplos!!!!

  2. O João não vai mais ao fundo. Porque não quer. Este movimento global que começou com uma reportagem no 60 minutos. Em que com uma câmara camuflada um jornalista entrevista diversos escritórios de advogados, incluindo o bastonário de NY, pedindo aos mesmos informação sobre como lavar dinheiro dum governante africano. Nesse momento a elite deu um aviso aos advogados.

    http://www.cbsnews.com/news/hidden-camera-investigation-money-laundering-60-minutes/

    Seguiu-se o Banana papers, etc. E agora chegamos ao ponto do Malta files. Malta não é uma offshore. É perfeitamente legal abrir uma entidade em Malta. MAS é sinónimo de censura. Rídiculo.

    E chegamos aos jogadores. A Fiscalia está-se a borrifar para o Ronaldo. O q se pretende é incutir ao cidadão comum a ideia de que os ricos não pagam impostos. E de que melhor maneira do que atacando jogadores de futebol. Só que o Ronaldo só por acaso é o maior contribuinte individual de Espanha. Os direitos de imagem não pertencem a Espanha. Se o Ronaldo for para o Mónaco as marcas irão acompanhá-lo. O único real perdedor será a Fiscalia espanhola que perderá uma fonte de receitas.

    Está-se a preparar a opinião pública para o apertar da malha, e estamos cada vez mais rápido a caminhar de volta para os tempos feudais. Aqueles que hoje salivam com a perseguição ao Ronaldo serão os que mais sofreram com as inevitáveis consequências da perseguição fiscal. E obviamente nova ronda de medidas fiscais de “prevenção”. A eliminação do dinheiro físico parece estar na lista de prioridades.

    Também se deve retirar que tanto Messi como Ronaldo, não são espanhois. Se Messi é argentino e a Argentina vale o que vale. Onde anda o estado português? O estado espanhol estar a perseguir o melhor jogador português de todos os tempos, que nos deu um campeonato europeu, não é motivo de censura de Portugal? Porventura o temor à máquina fiscal é tão grande que ninguém fala com medo de represálias? Ou sequer ficar associado.

    MAS O TRUMP GANHOU! E SE DEUS QUISER VAI DAR A VOLTA A ESTA PODRIDÃO.

    MAGA! MAGA!

    Se a elite portuguesa sempre foi lixo. Pelo menos a elite americana era competente e capaz. Mas por algum motivo tentou imitar a portuguesa. GRAÇAS A DEUS PELO TRUMP.

    MAGA! MAGA! MAGA! MAGA! MAGA! MAGA!

Leave a Reply