subscribe: Posts | Comments | Email

O erro de Gaspar

0 comments

Confesso que gosto muito de Jorge Gaspar e penso que tem tudo para ser um extraordinário Ministro.

Há no entanto até agora um grave erro político e que se prende com a tributação dos ricos.

A tributação dos ricos faz-se em IRS e, nas empresas, em IRC.

Em IRS um “rico” como Marcelo Rebelo de Sousa – pasme-se – paga mais do que Américo Amorim, ou seja segundo leio na imprensa e cito de memória cerca de € 150.000.

Em IRC, presumo que Marcelo, naturalmente, nada pague e Américo Amorim também não porque as suas empresas relevantes estão, com toda a legalidade, em jurisdições de baixa ou nula tributação.

Evidentemente, para taxar os “ricos” com alguma justiça fiscal se teria que equivaler os ganhos de capital com os do trabalho. Naturalmente, taxar as mais valias em englobamento em IRS e o mesmo com dividendos. É este o erro de Gaspar que urge corrigir.

É perfeitamente evidente que existe a nível mundial uma crescente bipolarização da riqueza bem documentada aliás em series analíticas no FT e no NYT. Daí os “ricos” clarividentes como Buffet ou os “12” em França reclamarem um aumento da sua tributação como mínimo passo compensatório para tendências globais que a todos ultrapassa.

Por cá, Amorim, na sua infinita ingenuidade, considera-se um trabalhador (aliás incansável) e Marcelo trabalha para ter um elevado IRS. Eu, por mim, limito-me a dizer que nos últimos dez anos paguei ao Estado mais do que os dois juntos.

 

Leave a Reply